MAIO – Mês da celebração da VIDA

À medida que a gente se acostuma a viver perde o hábito de pensar na vida. Em como, afinal, ela veio ao mundo; como foi possível que um punhado de elementos presentes na atmosfera se encontrassem para dar origem a proteínas, agregar a misteriosa replicadora chamada DNA e assim adquirir a capacidade de se reproduzir e gerar formas elementares de vida conhecidas como moléculas e  células. E isso logo no início de tudo, há 3,5 bilhões de anos, quando a terra mal tinha acabado de tornar-se sólida!

Acalma pensar como a vida deixou então de progredir para outros níveis de existência e dedicou  2 longos bilhões de anos à paciente reprodução de organismos bacterianos encarregados da função metabólica (mais tarde entregue ao mundo vegetal) de alimentar-se de hidrogênio e liberar na atmosfera oxigênio, venenoso o primeiro, essencial o segundo ao surgimento dos organismos terrestres dos quais evoluímos.

Nos bastaria a emoção de pensar que no primeiro instante do tempo humano uma pequena amostra de substâncias químicas adquiriu vida, partiu-se e fez um descendente; que algum tipo de processo de seleção cumulativo permitiu que aminoácidos se juntassem e dessem início à coleção de moléculas organizadas em tal ordem que deram em seres vivos; que isso aconteceu uma só vez e uma vez por todas;  que tudo que vive e já viveu, planta ou animal, tem sua origem na mesma e única replicação original; que tudo que tem vida é o resultado de um único mecanismo genético transmitido de geração para geração há quase 4 bilhões de anos.

Mas não. O homem ganhou um plus cognitivo que não o dá por satisfeito. Não saber como isso foi possível e não  conseguir recriar a vida o deixa inconformado. Importa-se  demais com vida pessoal para aceitar que ela acabe; não admite que as regras biológicas que a regem sejam definitivas; acompanhou-se desde o início de mitos, crenças e tabus, de vozes e visões do além, de crenças e religiões, teologias e filosofias que lhe dessem permanência. De certo, acredita, a pessoa é reencarnada através de sucessivas existências ou então eternizada em plano espiritual; outros, desconfiados, se fazem congelar, à espera da  revanche sobre a morte: não sabemos como a vida  surgiu? não conseguimos recriar as circunstâncias  iniciais que a ponham sob nosso domínio? Vamos então fazer perene a vida que temos! E prometem rejuvenescimentos periódicos, garantias de vida  até bem além dos 100, e, logo mais, vida sem fim.

Visto o desempenho científico de seu plus cognitivo, não é dito que o homem não consiga. Antigas sabedorias de velhos sábios dizem que não vale a pena. Mas o que sabiam eles dos dias de hoje?

(Nestore Codenotti – 08.05.16 – após a leitura de algumas pgs. de Bill Bryson)

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s